quinta-feira, novembro 19, 2009

...

Chego à porta do prédio e quase que voo pelas escadas acima.
Abro a porta e lá está ele, ao colo do pai.
Ele vê-me e dá-me aquele sorriso que me faz encher os olhos de lágrimas.
Pego-lhe ao colo e encho-o de beijos, ele mete os bracinhos dele nos meus ombros
como se me estivesse a abraçar, e abraço-o.
E aquele abraço até faz doer de tão bom que é.
Depois vem o jantar que é feito em festa.
E de seguida vem a parte melhor, a maminha.
Fechamo-nos no quarto dele, ligo o candeiro de pé e sento-me na cadeira de baloiço.
Enquanto tento abrir o soutien ele já anda a roçar com o nariz na maminha e depois é só encontrar e mamar.
E fica ali e mamar até adormecer e largar o mamilo.
Eu levanto-o e encosto-o a mim para poder arrotar.
Abraçada a ele, cheiro-o! Mas cheiro-o até ficar sem folego.
E vou inspirando o cheiro dele até ficar cheia de filho.
Até ficar com as baterias carregadas, para no dia seguinte poder aguentar 12h sem ele.
E no dia seguinte tudo se repete...
cheira-lo e cheira-lo e cheira-lo até ficar cheia de filho.

5 comentários:

Carla Isabel disse...

ai amiga como te entendo...eu beijo tanto os meus antes de os deixar no colégio e cheiro-lhes os cabelos...para os "trazer" comigo....
Bjs

Gi disse...

:)
As momentos valem pelo dia todo.

Cris disse...

Uuiiii, fiquei com as lágrimas nos olhos...já me estou a imaginar em Fevereiro. Quero ganhar o Euromilhões! LOL

Leãozinho disse...

Esta tua descrição dos momentos mãe/filho fizeram-me lembrar as que a Silvia me fazia... os sentidos tão despertos, tudo tão intenso, o toque, o cheiro, os afectos... os filhos são anjos que vêem dar mais sentido às nossas vidas.
Beijinho.
N.P.

Sandra Veloso Silva disse...

Os nossos filhos são a melhor coisa deste MUNDO