quarta-feira, março 01, 2006

Enquanto

esperava pelo autocarro, a senhora que se encontrava na fila mesmo atrás de mim, questiona-me se falta muito para o próximo autocarro.
Respondo que não.
E, esta troca de palavras, foi o bastante para um início de dialogo.
Esta senhora que tinha por volta dos 60 anos, só tem o marido. O marido encontra-se internado no hospital há 3 meses. A vida dela passa por ir visitá-lo diáriamente. Chega o mais cedo que pode, e sai o mais tarde que pode. Todos os momentos com ele são importantes.
Tentei animá-la, dizendo-lhe que qualquer dia, o marido já está em casa. Quando os olhos se enchem de lágrimas, e ela me diz que tinha acabado de falar com a médica.Esta, tinha acabado de lhe dizer que o marido nunca mais iria respirar sozinho e provavelmente nunca mais voltaria a casa.
Fiquei ali, a ouvi-la e a tentar dar-lhe esperança e força, enquanto a sua cara estava lavada em lágrimas.

[ainda não me consegui esquecer dos seus olhos solitários]

3 comentários:

Cris disse...

Bem que inicio de dia...todos nós sabemos que essas situações infelizmente acontecem a muita boa gente...mas quando estamos longe delas esquecemo-nos que elas existem. Mas compreendo que tenhas ficado a pensar nisso.

Carla Yu disse...

Que situação! E não há nada que possamos fazer para animar não é?

Beijocas

Šaяa disse...

São estas coisas que nos fazem dar valor aquilo que temos. Infelizmente as vezes é preciso isso para pensarmos que a nossa vida apesar de tudo é bem boa.
É mesmo uma situação chata porque por mais que queiramos nem temos como ajudar sem sabemos sequer o que dizer :(