quarta-feira, setembro 28, 2005

Sou

uma pessoa calma por natureza. Não gosto de conflitos. Na maior parte das vezes para os evitar, sigo pelo lado contrário aquilo que penso. Isto porque não gosto de teimar e muitas vezes, é muito difícil expor o meu ponto de vista. Mesmo que saiba à partida que tenho razão, ou ache que tenho razão.

Muitas vezes ouço coisas que me magoam bastante, mas acabo por ouvir e calar. Vou enchendo o saco até um dia ele rebentar. E quando ele rebenta, normalmente é o fim do relacionamento entre mim e outra pessoa. Isto aconteceu muitas poucas vezes. Em toda a minha vida, que me lembre, apenas deixei de falar a uma única pessoa.

Normalmente, para que o meu saco não rebente, afasto-me dessa pessoa de forma a poder acalmar os ânimos e quando acho que já estou bem com toda a situação volto ao relacionamento normal. Sei que provavelmente, esta não é a atitude mais correcta. Mas é aquela com a qual eu me sinto mais confortável. É assim que eu sou, e se neste momento agisse de maneira contrária, as pessoas estranhariam, porque na realidade nunca fui assim.

Apenas com o Maridão a minha atitude é diferente. Quando não gosto ou não concordo digo-lhe na hora e resolvo o problema ali, isto porque amo-o demasiado, porque vivo com ele e sou incapaz de me ir deitar na mesma cama que ele com alguma coisa engasgada. Mas neste caso tive de aprender e educar-me a agir desta forma, foi ele que educou a nossa relação a ser desta forma. O que há para dizer, diz-se ali, não é passado um ano ou dois.

Mas com as outras pessoas ainda não me consegui educar a agir assim, infelizmente. Isto porque desta forma sofro e desiludo-me muito mais com as pessoas.

Neste momento estou com o saco cheio. Vêem-me à memória coisas que aconteceram há muito tempo, coisas que me magoaram, feridas que ficaram abertas. Apesar a distância, o meu saco não mudou de peso, encheu muito mais, revoltou-me muito mais…. Tirou-me o sono durante muitas noites, meteu o meu coração a bater a ritmo muito mais acelerado que o normal….Ando com os nervos à flor da pele, quando falo no assunto, modifico-me e as pessoas que estão à minha volta notam, ando muito mais vezes com as lágrimas nos olhos, sinto-me triste.
Talvez esta seja a melhor forma de desabafar um bocadinho. Venho aqui, escrevo o que me vai pela alma e acalmo um bocadinho.

Não quero prejudicar ninguém, mas também tenho de ser um bocadinho egoísta e seguir com a minha vida em frente, não posso estar agarrada a uma coisa só porque alguém quer, eu também tenho que querer…. E já estou agarrada a isto há tempo demais contra a minha vontade, só para fazer a vontade a mais alguém.

Agora vou ser um bocadinho egoísta, pela primeira vez na minha vida. Mas acho que tem de ser….

3 comentários:

Cris disse...

M., esquece, deixa de te importar com as coisas, não telefones mais, não faças mais nada...aproveita esse tempo para ti, se te ligarem a chatear diz que não fazes mais nada!

Xana disse...

M.inha (diminutivo carinhoso do teu nome, caso não tenhas percebido), quem gosta de ti tem que gostar mesmo que tu contraries, que digas que não, que sejas um bocadinho egoísta. Era o que faltava!

Cá comigo por favor não tenhas nunca esses problemas. Não fiques a acumular coisas em sacos, saquinhos ou sacões!

E qt a essa situação não sei que mais te posso dizer!

sara S disse...

Querida.... Pelo que me parece não estas a prejudicar ninguem com a tua atitude, é um direito que tens de querer sair de um projecto no qual não queres mais participar. Não é ser egoista... é seguires a tua vida... e acho que não vale a pena ficares triste e perderes o sono e etc por causa disso...
Beijinhos